O segredo de Fátima escrito por Irmã Lúcia

Em Setembro de 1943, a irmã Lúcia recebe a visita do Senhor Bispo de Leria que se desloca a Tuy , em Espanha para lhe ordenar que escrevesse a terceira parte do Segredo. A irmã Lúcia fica muito apreensiva com a ordem, pois a terceira parte do segredo ainda continuava no silêncio e do Céu não tinha recebido ordem em contrário, ficando dessa forma num grande dilema na sua consciência, sem saber a quem obedecer. A ordem do Senhor Bispo continuava bem presente, mas o seu coração estava pesado, embora tivesse vontade bem firme de obedecer. Entretanto depois de varias tentativas para escrever sem sucesso e de algumas dificuldades, embora com certa repugnância e alguns receios de, uma vez mais, não conseguir resolve pedir ajuda a Nossa Senhora:

-”Enquanto que esperava a resposta, no dia 3/1/1944, ajoelhei-me junto da cama que, por vezes, me serve de mesa para escrever, e de novo fiz a experiência, sem nada conseguir; o que mais me impressionava era que no mesmo momento escrevia sem dificuldades qualquer outra coisa. Pedi então a Nossa Senhora que me fizesse conhecer qual era a Vontade de Deus. E dirigi-me para a capela, eram as 4h da tarde, hora a que costumava ir fazer a visita ao Santíssimo, por ser a hora a que ordinariamente está mais só, e não sei porquê, mas gosto de me encontrar a sós com Jesus no Sacrário.

Aí ajoelhei-me no meio, junto ao degrau da mesa da Comunhão e pedi a Jesus que me fizesse conhecer qual era a Sua Vontade. Habituada como estava, a crer que as ordens dos Superiores são a expressão certa da Vontade de Deus, não podia crer que esta o não fosse. E perplexa, meio absorta, sob o peso duma nuvem escura que parecia pairar sobre mim, com o rosto entre as mãos, esperava, sem saber como, uma resposta. Senti então, que uma mão amiga, carinhosa e maternal me tocava no ombro, levanto olhar e vejo a querida Mãe do Céu.
”Não temas, quis Deus provar a tua obediência, Fé e humildade, está em paz e escreve o que te mandam, não porém o que te é dado entender do seu significado. Depois de escrito, encerra-o num envelope, fecha-o e lacra-o e escreve por fora, que só pode ser aberto em 1960, pelo Sr. Cardeal Patriarca de Lisboa ou pelo Sr. Bispo de Leria”.

E senti o espírito inundado por um mistério de luz que é Deus e N’Ele vi e ouvi, -A ponta da lança como chama que se desprende, toca o eixo da terra,- Ela estremece: montanhas, cidades vilas e aldeias com os seus moradores são sepultados. O mar, os rios e as nuvens saem dos seus limites, transbordam, inundam e arrastam consigo num redemoinho, moradias e gente em número que não se pode contar, é a purificação do mundo pelo pecado em que se mergulha. O ódio, a ambição provocam a guerra destruidora! Depois senti no palpitar acelerado do coração e no meu espírito o eco duma voz suave que dizia:- No tempo, uma só Fé, um só Baptismo, uma só Igreja, Santa Católica, Apostólica. Na eternidade, o Céu! Esta palavra Céu encheu a minha alma de paz e felicidade, de tal forma que quase sem me dar conta, fiquei repetindo por muito tempo:-O Céu! O Céu! Apenas passou a maior força do sobrenatural, fui escrever e fi-lo sem dificuldade, no dia 3 de Janeiro de 1944, de joelhos apoiada sobre a cama que me serviu de mesa.”

O segredo foi totalmente revelado no ano 2000, conforme o escreveu a Irmã Lúcia e enviou fechado num envelope lacrado ao Senhor D. José Correia da Silva. Ela própria o atestou por várias vezes, tanto antes da sua revelação ao público, no dia 13 de Maio do ano 2000, em Fátima, fazendo o seu reconhecimento da autenticidade do escrito, diante de testemunhas, como depois o fez, várias vezes, ao ouvir as notícias que lhe chegavam da negação do mesmo. Lúcia escreve sem dar uma palavra de sua opinião, ou interpretação, segundo Nossa Senhora lhe disse: ”Escreve o que te mandem, não porém o que te é dado entender do seu significado”.

Um pormenor que nos pode ajudar a compreender melhor, é que na visão de 13 de Julho de 1917, as chamas que se desprendiam da espada de fogo empunhada pelo Anjo, extinguiam-se ao contacto da luz que irradiava da mão direita de Nossa Senhora; aqui, porém, a ponta da lança como chama que se desprende, toca o eixo da terra… Entretanto a única palavra que foi pronunciada pelo Anjo na terceira parte do Segredo foi repetida três vezes, foi: Penitência! Penitência! Penitência! Este grito como uma ordem primordial foi incisivo e insistente…entretanto a Irmã Lúcia suspirava quando ouvia, pedidos para que se revelasse o segredo, dizia ela: ”Se vivessem o mais importante, que já está dito!… Só se ocupam do que está por dizer, em vez de cumprirem o que foi pedido oração e penitência!..”
A pastorinha desabafa: ”Assusta olhar para o mundo de hoje, com a desordem que reina e com a facilidade com que se mergulha na imoralidade. Como remédio, resta uma única solução: arrependerem-se, mudarem de vida e fazerem penitência.”

Irmã Lúcia nos aponta o caminho a seguir:”Esta é a penitência e oração que o Senhor, agora, mais pede e exige: a oração e a penitência pública e colectiva, junta à abstenção dos pecados, porque ela é a que mais aviva a Fé nos espíritos, a confiança nas almas, e acende a chama da caridade nos corações. Move os indiferentes, dá luz aos cegos, e atrai os incrédulos. É por esta que o Senhor espera para enviar o Seu Anjo com a espada de fogo e dissipar os exércitos diabólicos que invadem o mundo, cegam os homens e destroem a paz;  a paz da Igreja, a paz das Nações, a paz das famílias nos lares, a paz das consciências nas almas. Falta a paz porque falta a Fé, falta a penitência, falta a oração pública, colectiva.

”Rezem o terço todos os dias para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra”, disse Nossa Senhora a 13 de Maio de 1917. Esta recomendação é para todos nós, um apelo par o mundo todo, crentes ou não, porque a fé é um dom de Deus, e pedindo se alcança, dizia a Irmã:” Deus não castiga o homem. É o próprio homem que com os seus desregramentos provoca os castigos”.

A Irmã Lúcia pedia insistentemente que se rezasse esta oração.
Ó Maria Concebida sem Pecado, olhai para Portugal , rogai por Portugal; quanto mais culpado ele é, mais necessidade tem da Vossa intercessão. Uma palavra dita por vós a Jesus e Portugal será salvo.
Ó Jesus, obediente a Maria, perdoai-nos, salvai Portugal!

Avé-Maria….

Mãe de Misericórdia, que sois alento dos fracos e saúde dos enfermos, curai Portugal de todos os males de que sofre, perdoai-nos salvai Portugal!

Avé-Maria….

Rainha dos Portugueses e refúgio dos pecadores, não desprezeis as nossas preces; perdoai-nos, salvai  Portugal!

Avé-Maria….

Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós e pela nossa Pátria!
Perdoai-nos e atendei-nos.
Salve-Rainha…Amém.

No Centenário das Aparições em Fátima o Papa Francisco faz um Ato de entrega a Nossa Senhora de Fátima.

Bem-Aventurada Virgem de Fátima, com renovada gratidão pela tua presença materna unimos a nossa voz à de todas as gerações que te dizem bem-aventurada.
Celebramos em ti as grandes obras de Deus, que nunca se cansa de se inclinar com misericórdia sobre a humanidade, atormentada pelo mal e ferida pelo pecado, para a guiar e salvar.
Acolhe com benevolência de Mãe o ato de entrega que hoje fazemos com confiança, diante desta tua imagem a nós tão querida.
Temos a certeza que cada um de nós é precioso aos teus olhos e que nada te é desconhecido de tudo o que habita os nossos corações.
Deixamo-nos alcançar pelo teu olhar dulcíssimo e recebemos a carícia confortadora do teu sorriso.
Guarda a nossa vida entre os teus braços:
abençoa e fortalece qualquer desejo de bem; reacende e alimenta a fé; ampara e ilumina a esperança; suscita e anima a caridade; guia a todos nós no caminho da santidade.
Ensina-nos o teu mesmo amor de predileção pelos pequeninos e pelos pobres, pelos excluidos e sofredores, pelos pecadores e os desorientados; reúne todos sob a tua proteção e recomenda todos ao teu dileto Filho, nosso Senhor Jesus Cristo. Amen.
Papa Francisco.

 

 

 

Advertisements