Mensagem de Madre Eugenia – II Parte

Dio Padre4Inicia-se a 12 de Agosto de 1932.Diz a Madre: O demónio pegou no principio dos escritos e cortou com uma tesoura.
Diz o Eterno Pai: ” Eu venho abrir uma Fonte de Água Viva que desde hoje até ao fim dos tempos, nunca mais secará. É a vós, minhas criaturas, que Eu venho, para vos descobrir as minhas entranhas paternais apaixonadas de amor por vós, meus filhos, e quero que sejais testemunhas do meu amor infinito e misericordioso. Não Me basta ter-vos mostrado o meu amor; quero também abrir-vos o meu Coração, donde sairá uma Nascente refrescante, onde todos os homens se poderão saciar. Eles hão-de então saborear as alegrias que até agora não tinham conhecido, por causa do peso imenso do temor exagerado que tinham de Mim, seu terno Pai.

Foi desde que prometi um Salvador aos homens que fiz brotar esta Fonte e fi-la passar pelo Coração do Meu Filho para chegar até vós. ( esta fonte, desde que Ele fala dela a Madre , vê todos os dias).
Mas o meu imenso Amor por vós impele-Me a fazer ainda mais, abrindo o meu Seio, donde brotará esta água de salvação para os meus filhos, e Eu permito-lhes ir aí buscar livremente tudo o que lhes é necessário para o tempo e para a Eternidade.
Se quereis sentir o poder desta Fonte de que vos falo, aprendei primeiro a conhecer-Me melhor e a amar-Me como Eu desejo, quer dizer, não só como vosso Pai, mas também como vosso Amigo e vosso Confidente.
Porque vos admirais com o que vos digo? Não vos criei à minha Imagem? Fiz-vos à minha Imagem para que não estranheis quando falais e vos familiarizais com o vosso Pai, vosso Criador, vosso Deus, porque vos tornastes, pela minha misericordiosa Bondade, os filhos do meu Amor Paterno e Divino.
Dado que o Meu Filho está em Mim e Eu estou n’Ele, o nosso mútuo Amor que é o Espirito Santo, que nos mantém unidos por esse laço de Caridade que faz com que sejamos apenas Um.
Ele, o meu Filho, é reservatório desta Fonte, para que os homens possam ir beber ao Seu Coração, que está sempre cheio, a transbordar, da Água de Salvação! Mas deveis experimentar esta Fonte que o meu Filho vos abre, para vos convencerdes de que ela é refrescante e agradável! Então, vinde a Mim pelo meu Filho, e quando estiverdes ao pé de Mim , confiai-Me os vossos desejos.
Mostrar-vos-ei esta Fonte dando-Me a conhecer, sereis mansos, refrescados! Os vossos males serão curados, os vossos temores desaparecerão; a vossa alegria será grande e o vosso amor encontrará um repouso que nunca até agora tinha saboreado!

Mas como dir-Me-eis vós, podemos ir a Vós? Ah, vinde pelo caminho da confiança, chamai-Me vosso Pai, amai-Me em espírito e verdade, e isto bastará para que esta água refrescante e omnipotente vos transforme. Mas se quereis verdadeiramente que ela vos dê tudo o que vos falta para Me conhecer e amar, e se a achais fria e indiferente, chamai-Me somente pelo doce nome de Pai e Eu virei a vós. A minha Nascente dar-vos-á o amor, a confiança pelo vosso Pai e Criador.
Dado que Eu desejo sobretudo dar-Me a conhecer a todos vós, para que possais usufruir todos, mesmo nesta Terra, da minha Bondade e da Minha Ternura, fazei-vos apóstolos junto daqueles que ainda não Me conhecem, e Eu abençoarei-vos uma grande glória junto de Mim, na Eternidade!
Eu sou o Oceano da Caridade, meus Filhos, eis uma outra prova do Amor Paterno que tenho por vós todos, sem excepção, seja qual for a vossa idade, o vosso estado o vosso País. Não exceptuo mesmo as diversas sociedades, as seitas, os fiéis, os infiéis, os crentes, os indiferentes, encerro neste Amor todas as criaturas dotadas de razão cujo conjunto forma a Humanidade.
Esta prova, ei-la : Eu sou o Oceano da Caridade! Dei-vos a conhecer a Fonte que brota do Meu Seio para vos restaurar e agora, para que saboreeis como Eu Sou Bom para todos, vou mostrar-vos o Oceano da minha Caridade Universal, para que vós vos lanceis nele de olhos fechados. Porque? Porque, mergulhando neste Oceano, as almas que se tornaram gotas amargas com os vícios e os pecados, perderão o excesso de amargor neste banho de Caridade. Elas sairão deles restauradas e felizes por terem aprendido a ser boas e cheias de caridade. Se vós, por ignorância ou por fraqueza, voltais a cair no estado de uma gota amarga, Eu continuo a ser um Oceano de Caridade, em Bondade, e para fazer de vós santos como Eu sou, Eu, o vosso Pai.

Quereis, meus Filhos, passar a vossa vida na terra na paz e na alegria? Vinde lançar-vos neste Oceano imenso e permanecei aí para sempre; continuando a utilizar a vossa vida com o trabalho, esta mesma vida será santificada pela Caridade.
Quanto aos meus filhos que não estão na verdade, Eu quero com mais razão ainda, cobri-los com as minhas paternas predilecções, para que abram os olhos à luz que , neste tempo, resplandece mais sensivelmente do que nunca.
É o tempo das graças previsto e esperado desde toda a Eternidade! Estou, aqui, em Pessoa para vos falar; venho como o mais terno e o mais amante dos Pais. Abaixo-Me, esqueço-Me a Mim próprio para vos elevar até Mim e assegurar a vossa salvação.
Vós todos, que viveis hoje, e também vós que ainda estais no nada, mas que vivereis de século em século até ao fim do mundo, pensai que não viveis sozinhos, mas que um Pai, acima de todos os Pais, vive junto de vós, vive mesmo em vós, pensa em vós e oferece-vos a oportunidade de participar nas incompreensíveis prerrogativas do seu Amor.
Aproximai-vos da Fonte que brotará sempre do Meu Seio paterno. Saboreai a doçura desta água salutar, e quando tiverdes experimentado todo o Seu delicioso poder sobre as vossas almas para satisfazer todas as vossas necessidades, vinde lançar-vos no Oceano da minha Caridade, para não viverdes senão em Mim e morrer par vós próprios, para viver eternamente em Mim.

O nosso Pai disse a Irmã Eugénia:
”Quando quiserdes beber desta Fonte, estudai-Me para Me conhecer e, quando Me tiverdes conhecido, lançai-vos no Oceano da minha Misericórdia, confiando em Mim com uma confiança que vos transforme e à qual Eu não possa resistir; então perdoar-vos-ei as vossas faltas e cumular-vos-ei das maiores graças”.

Eu estou no meio de vós. Felizes os que crêem nesta verdade e que aproveitam este tempo de que falaram as Escrituras nestes termos: ”Haverá um tempo em que Deus deve ser adorado e amado pelos homens como Ele deseja”.
As Escrituras fazem, depois, a seguinte pergunta:
Porque? Respondem: ”Porque só Ele é digno de ser honrado, amado e louvado para sempre!”
Moisés recebeu de Mim próprio, como o Primeiro dos Dez Mandamentos, esta ordem a comunicar aos homens: ”Amai, adorai a Deus”.
Os homens que já são cristãos podem dizer-Me ”Nós amamos-Vos desde o nosso nascimento ou desde a nossa conversão, pois dizemos tantas vezes na Oração Dominical: ”Pai nosso que estais nos Céus!”
Sim, meus filhos, é verdade que Me amais e Me honrais quando dizeis a primeira frase do Pater. Mas continuai a dizer as outras frases e vereis.
” Santificado seja o Vosso Nome” será que o Meu Nome é santificado? Continuai.
”Venha a nós o Vosso Reino” Ó Meu Reino já veio? Vós, honrais , é verdade, com todo o vosso fervor, a Realeza do meu Filho Jesus e n’Ele, é a Mim que honrais!
Mas recusareis ao vosso Pai esta grande glória de O proclamar ”Rei”, ou pelo menos, de Me fazer reinar para que todos os homens Me possam conhecer e amar?
Desejo que celebreis esta Festa da Realeza do meu Filho em reparação dos insultos que Ele recebeu diante de Pilatos e também da parte dos soldados que flagelaram a sua Santa e Inocente humanidade. Peço, não que suspendais esta Festa, mas pelo contrário, que a celebreis com entusiasmo e fervor; mas para que todos possam conhecer verdadeiramente este Rei, é preciso conhecer também este Reino!

Se vós , meus filhos, soubesses que tendes um Pai que pensa em vós e que vos ama com um Amor infinito, não é verdade que vos esforçaríeis, a título de reciprocidade, por ser fiéis aos vossos deveres de cristãos, até mesmo de cidadãos. para serdes justos e prestardes justiça a Deus e aos homens?

Se alguém fosse falar a todas almas abandonadas às suas superstições ou a tantas outras que apelam para Deus, porque sabem que Eu existo sem saberem que Eu estou ao pé delas, para lhes dizerem que o seu Criador é também seu Pai, que pensa nelas e que se ocupa delas, que as envolve com uma estreita afeição em tantos sofrimentos e abandonos, obter-se-iam conversões mais sólidas, quer dizer, mais perseverantes.
Os missionários falaram e continuam a falar de Deus na medida em que Me conhecem, mas Eu afirmo-vos que vós não Me conheceis tal como Eu sou, pois Eu venho para Me proclamar o Pai de todos, e o mais terno dos Pais, para corrigir o amor que Me tendes, que está falseado pelo temor.
Venho tornar-Me semelhante às minhas criaturas para corrigir a ideia que vós tendes de um Deus terrivelmente justo, pois vejo todos os homens passarem a sua vida sem confiarem no seu Único Pai, que queria dar-lhes a conhecer o seu único Desejo, que é o de lhes facilitar a travessia da sua vida terrena para lhes dar, depois, no Céu, uma vida toda divina.
Esta é uma prova de que as almas não Me conhecem, tal como vós não Me conheceis, pois não ultrapassais a medida da ideia que fazeis de Mim. Mas agora que vos dou esta Luz, permanecei na Luz e levai a Luz a todos, pois será um meio poderoso para fazer conversões e até mesmo para fechar, se possível, a porta do Inferno, porque Eu renovo a minha Promessa, que não poderá deixar de se cumprir:
”Todos aqueles que Me chamarem, com todo o Coração pelo nome de Pai, nem que fosse uma vez só, não perecerão, mas estarão certos da sua vida eterna, em companhia dos meus eleitos”.

E vós, que trabalhais para a minha glória e que procurais tornar-Me conhecido, honrado e amado, asseguro-vos que a vossa recompensa será grande, porque Eu contarei tudo, mesmo o menor esforço que fizerdes, e tudo vos pagarei ao cêntuplo na Eternidade.
Já vos disse que é preciso completar o culto na Santa Igreja, honrando de um modo muito especial, o Autor desta Sociedade. Aquele que também a veio fundar, que é a sua Alma, o Deus Três Pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo.
Enquanto as Três Pessoa não forem honradas com um Culto particular, especial, na Igreja e na humanidade inteira, faltará alguma coisa a esta Sociedade. Já fiz sentir esta deficiência a algumas almas, mas a maior parte, demasiado tímidas, não corresponderam ao Meu apelo. Outras tiveram coragem para falar a quem de direito, mas diante do seu insucesso, não insistiram.
Agora chegou a minha hora. Venho Eu próprio dar a conhecer aos homens, meus filhos, o que até ao momento eles não tinham compreendido totalmente. Venho Eu próprio trazer o Fogo Ardente da Lei do Amor para que, por este meio, Eu possa fundir e destruir a enorme camada de gelo que envolve a humanidade.
Ó querida humanidade! Ó homens que sois meus filhos: libertai-vos dos laços em que o demónio vos tem encadeados até agora, pelo medo dum Pai que não é senão Amor!
Vinde, aproximai-vos, todos tendes o direito de vos aproximar do vosso Pai, dilatai o vosso coração, rezai ao meu Filho para que Ele vos faça conhecer, cada vez melhor, as minhas Bondades para convosco.
Vós que estais cativos das superstições e das leis diabólicas, sai dessa tirânica escravidão e vinde à Verdade das verdades. Reconhecei Aquele que vos criou e que é o vosso Pai. Não pretendais usar os vossos direitos para prestar adoração e homenagem àqueles que vos arrastaram a levar até agora uma vida inútil, mas vinde a Mim, espero-vos a todos porque vós sois meus Filhos.

E vós que estais na verdadeira Luz, dizei-lhes como é doce viver na verdade! Dizei também aos cristãos, a essas queridas criaturas, meus filhos, como é doce pensar que há um Pai que vê tudo, que sabe tudo, que provê a tudo, que é infinitamente bom, que sabe perdoar facilmente, que só contrariado castiga e lentamente.

Dizei-lhes, enfim, que não os quero abandonar aos desgostos da vida, sós e sem méritos. Que eles venham a Mim: ajudá-los-ei, aliviarei o seu fardo, dulcificarei a sua vida tão rude e embriagá-los-ei como meu Amor Paternal, para os tornar felizes no tempo e na eternidade.

E vós, meus Filhos, que tendo perdido a Fé, viveis nas trevas, erguei os olhos e vereis raios luminosos que virão iluminar-vos. Eu sou o Sol que ilumina, que aquece e reaquece; olhai e reconhecei que Eu sou o vosso Criador, vosso Pai, o vosso único Deus. É porque vos amo que venho fazer-Me amar, para que todos sejais salvos.
Dirijo-Me a todos os homens do mundo inteiro, fazendo ressoar este apelo do meu Amor Paternal; este Amor infinito que quero que conheçais é uma realidade permanente.
Amai, amai, amai sempre, mas fazei também amar este Pai, para que, a partir de hoje, Eu possa mostrar a todos vós o Pai mais apaixonado de amor por vós!
E vós, meus bem-amados filhos, sacerdotes e religiosos, exorto-vos a que deis a conhecer este Amor Paternal que Eu tenho pelos homens e por vós em particular. Vós deveis trabalhar para que a minha Vontade se cumpra nos homens e em vós; ora, esta Vontade é que Eu seja conhecido, honrado e amado. Não deixeis por muito tempo o meu Amor inactivo, porque Eu estou sedento do desejo de ser amado!

Eis o século privilegiado entre todos! Não deixeis passar este privilégio, não vá ele ser-vos retirado. As almas têm necessidade de certos toques divinos e o tempo urge; não temais nada, Eu sou o vosso Pai; ajudar-vos-ei nos vossos esforços e no vosso trabalho. Apoiar-vos-ei sempre e far-vos-ei saborear, mesmo nesta terra, a paz e a alegria da alma, fazendo frutificar o vosso ministério e as vossas obras de zelo: dom inestimável, porque a alma que está na paz e na alegria saboreia antecipadamente o Céu, esperando a recompensa eterna.

Se os homens soubessem penetrar no Coração de Jesus, com todos os Seus desejos e  Sua Glória, reconheceriam que o Seu mais ardente desejo é o de glorificar o Pai, Aquele que O enviou, e sobretudo não Lhe deixar uma glória diminuída, como foi feito até aqui, mas uma glória total, como o homem pode e deve dar-Me, como Pai e Criador, e ainda mais como Autor da sua Redenção!
O que Eu peço ao homem é o que ele Me pode dar: a sua confiança, o seu amor, o seu reconhecimento. Não é por ter necessidade da minha criatura ou da sua adoração que Eu desejo ser conhecido, honrado e amado; é unicamente para a salvar e lhe dar a minha glória como herança que Me abaixo até ela. É ainda porque a minha Bondade, o meu Amor, se apercebem de que os seres que Eu tirei do nada e que adoptei como verdadeiros Filhos vão cair, em grande número, na infelicidade eterna com os demónios, e falhar assim o objectivo da sua criação e perder o seu tempo e a sua eternidade !

Se desejo alguma coisa, sobretudo na hora actual, é pura e simplesmente o aumento do fervor dos justos, uma grande facilidade para a conversão dos pecadores, uma conversão sincera e perseverante, o retorno dos Filhos pródigos à Casa Paterna, em particular dos judeus e de todos os outros que são também minhas criaturas e meus filhos, como os cismáticos, os heréticos, os mações, os pobres infiéis, os ímpios e as diversas seitas secretas.
Que, quer queiram, quer não, todos eles saibam que há um Deus e um Criador. Este Deus, que falará duplamente à sua ignorância, é-lhes desconhecido, eles não sabem que Eu sou o seu Pai.
Acreditai, vós que Me escutais, lendo estas palavras: Se todos os homens que estão longe da nossa Igreja Católica ouvissem falar deste Pai que os ama, que é o seu Criador e seu Deus, deste Pai que lhes deseja dar a vida eterna, uma grande parte destes homens, mesmo entre os mais obstinados, voltariam para este Pai de que vós lhes falaríeis.
Quanto aos meios para honrar-Me como Eu desejo, só vos peço uma grande confiança.Não penseis que espero de vós austeridades, macerações, que vos quero fazer andar de pés descalços ou com face prostrada por terra na poeira, fazer-vos cobrir de cinza, etc. Não, não! Quero e gosto que vos mantenhais coMigo no vosso lugar de crianças com simplicidade e confiança para coMigo!
Convosco, far-Me-ei todo para todos, como o Pai mais terno e mais amante. Familiarizar-Me-ei com todos vós, dando-Me a todos, fazendo-Me pequeno para vos tornar grandes para a Eternidade.

abbaA maior parte dos incrédulo, dos ímpios e das sociedades secretas, permanecem na sua impiedade e incredulidade porque julgam que Eu lhes peço o impossível, que se têm de submeter às minhas ordens do mesmo modo que escravos a um senhor tirânico, que se mantém envolvido no seu poder e que permanece, pelo seu orgulho, distante dos seus súbditos, para os obrigar ao respeito e à dedicação. Não, não, meus filhos! Eu sei fazer-Me pequeno, mil vezes mais do que sois capazes de supôr!
Contudo, o que exijo é a observância fiel dos meus Mandamentos, que dei à minha Igreja, para que sejais criaturas racionais e não vos assemelheis aos animais pela vossa indisciplina e as vossas más inclinações, para que enfim possais conservar esse tesouro que é a vossa alma, e que Eu vos dei na total beleza divina de que a revesti!
Se Me amardes com um amor filial e confiante, tereis também um respeito cheio de amor e submissão à minha Igreja e aos meus representantes. Não um respeito como o que tendes agora e que vos mantém à distância de Mim, porque vos assusto, um falso respeito; é uma injustiça que fazeis à Justiça, uma ferida na parte mais sensível do meu Coração e um esquecimento, um desprezo do meu Amor Paternal para convosco.
O que mais Me afligiu no meu povo de Israel e Me aflige ainda na humanidade actual, é este respeito mal entendido para coMigo. O inimigo dos homens serviu-se disso para os fazer cais na idolatria e nos cismas. Serve-se ainda e servir-se-á sempre dele para vos afastar da Verdade da minha Igreja e de Mim. Ah! Não vos deixeis mais arrastar pelo inimigo ! Acreditai na Verdade que vos acaba de ser revelada e caminhai à luz desta Verdade.
Vós, meus filhos, que vos encontrais fora da Igreja Católica, sabeis que não estais excluídos do meu Amor Paterno. Dirijo-vos um terno apelo, porque também vós sois meus Filhos! Se vivestes até agora nas ciladas que o demónio vos armou, reconhecei que els vos enganou e vinde a Mim, vosso Pai, e Eu receber-vos-ei com amor e alegria!
Também vós, que não conheceis qualquer outra religião a não ser aquela em que nascestes, e tal religião não é verdadeira, abri os olhos: eis o vosso Pai. Aquele que vos criou e vos quer salvar. Venho ter convosco para vos trazer a Verdade e com ela a salvação. Vejo que não Me conheceis e que não sabeis que Eu não desejo de vós senão que Me conheçais como Pai e Criador e também como Salvador. É por causa dessa ignorância que não Me podeis amar. Sabei, pois, que Eu não estou tão longe de vós como pensais!
Como é que depois de vos ter criado e adoptado pelo meu Amor vos poderia deixar sós? Sigo-vos por todo o lado, protejo-vos de tudo, para que tudo se torne uma demonstração da minha grande liberalidade para convosco, apesar dos vossos esquecimentos das minhas infinitas Bondades, esquecimentos que vos fazem dizer:” É a Natureza que nos fornece tudo, que nos faz viver e que nos faz morrer”. Eis o tempo da Graça e da Luz! Reconhecei, pois, que Eu sou o único Deus Verdadeiro!
Para vos dar a verdadeira felicidade nesta vida e na outra, desejo que façais o que proponho nesta Luz. O tempo é propício, não deixeis escapar o Amor que se oferece ao vosso coração de uma maneira tão sensível. A todos Eu peço, como meio, que assistam à Santa Missa segundo a Liturgia, pois é-Me particularmente agradável! Depois, dir-vos-ei, com o tempo, outras pequenas orações, mas não vos quero sobrecarregar! O essencial será honrar-Me como vos disse, estabelecendo uma Festa em minha honra e servindo-Me na simplicidade dos verdadeiros Filhos de Deus, vosso Pai, Criador e Salvador do género humano!

Eis outro testemunho do meu Amor Paterno para com os homens: Meus Filhos, Eu não falarei de toda a grandeza do meu Amor infinito porque vos basta abrir os Livros Sagrados, olhar para o Crucifixo, para o Sacrário e para o Santíssimo Sacramento, para poderdes compreender a que ponto Eu vos amei!
No entanto para vos mostrar a necessidade em que estais de satisfazer a minha Vontade sobre vós, e para que Eu seja doravante mais conhecido e mais amado, quero antes de terminar dizer algumas palavras que são a base da minha Obra de Amor entre os homens, prova do meu Amor por vós!
Enquanto o homem não estiver na Verdade não poderá saborear, de modo algum, a verdadeira Liberdade: Vós acreditais estar na alegria, na paz, vós meus filhos, que estais fora da verdadeira Lei, para cujo cumprimento Eu vos criei, mas no fundo dos vossos corações sentis que não há em vós nem verdadeira paz, nem verdadeira alegria, e que não estais na verdadeira liberdade d’Aquele que vos criou e que é o vosso Deus, o vosso Pai!
Mas vós que estais na verdadeira Lei, ou melhor, que prometestes seguir essa Lei que Eu vos dei para assegurar a vossa salvação, eis que o vicio vos levou ao mal. Afastastes-vos da Lei pela vossa má conduta. Julgais que sois felizes? Não! Deixai-Me dizer-vos que nunca estareis na verdadeira liberdade, nem na verdadeira felicidade, enquanto não Me reconhecerdes como Pai e não vos submeterdes ao meu julgo, para serdes verdadeiros Filhos de Deus, vosso Pai!
Sim, vós sois meus Filhos e deveis dizer-Me que Eu sou vosso Pai. Mas não deixeis de confiar em Mim nessa qualidade, porque sem esta confiança não tereis a verdadeira liberdade.
Elevai-vos todos a esta dignidade de filhos de Deus e sabei respeitar a vossa grandeza, e Eu serei mais do que nunca o vosso Pai, o mais amante e o mais misericordioso de todos os Pais.

 

Trago-vos a Paz com esta Obra de Amor:
”Se alguém Me honrar e confiar em Mim farei descer sobre ele um raio de paz em todas as suas adversidades, em todas as suas perturbações, nos seus sofrimentos e aflições de toda ordem, sobretudo se Me invocar e Me amar como Pai.
Se as famílias Me honrarem e Me amarem como seu Pai, enviar-lhes-ei a minha Paz e com ela a minha Providência.

Se os trabalhadores, os industriais e outros artesãos Me invocarem e Me honrarem, dar-lhes-ei a minha Paz, a minha força, mostrar-Me-ei como Pai bom e misericordioso.
Se em toda a sociedade cristã Me invocarem e honrarem darei a minha Paz, mostrar-Me-ei como Pai Amantíssimo e, com o Meu Poder, assegurarei a salvação eterna das almas.

Se toda a humanidade Me invocar e Me honrar farei descer sobre ela o espírito da Paz, como orvalho benfazejo.
Se todas as nações Me invocarem e Me honrarem não existirão mais guerras ou perturbações, porque Eu sou o Deus da Paz e onde Eu estou a guerra não existe.
Quereis ter a vitória sobre o vosso inimigo? Invocai-Me e triunfareis sobre ele.

Enfim, sabeis que Eu posso tudo, com o Meu Poder. Ora bem! Este poder ofereço-o a todos vós, para que vos sirvais dele para o tempo e para a Eternidade.
Mostrar-Me-ei sempre vosso Pai, desde que vos mostreis como meus filhos.
Que é que desejo com esta Obra de Amor senão encontrar corações que Me possam compreender?

Eu sou a Santidade, de que possuo a perfeição e a plenitude, e esta Santidade de que Eu sou o autor Eu vo-la dou pelo Meu Espírito Santo e pelos méritos do Meu Filho.

Restauro-a nas almas. É pelo meu Filho e pelo Espírito Santo que Eu venho a vós, estou em vós, e em vós procuro o meu repouso.

Para algumas almas as palavras ”Venho a vós” parecerão um mistério, mas não há mistério, porque depois que ordenei a Meu Filho para instituir a Sagrada Eucaristia, propus-Me vir a vós todas as vezes que recebeis a sagrada Hóstia!
Porém, nada Me impedia, mesmo antes da Eucarístia, de vir a vós, pois nada Me é impossível! Mas a recepção deste Sacramento é uma acção fácil de compreender e que vos demonstra como Eu venho a vós.
Quando estou em vós dou-vos mais facilmente o que possuo, desde que Mo peçais.Por este Sacramento unis-vos intimamente a Mim e é nesta intimidade que a efusão do Meu Amor faz derramar na vossa alma a Santidade que possuo.

Inundo-Vos com o Meu Amor e então não tendes senão que pedir-Me as virtudes e a perfeição de que tendes necessidade, pois podeis estar seguros que nesses momentos de repouso de Deus no coração da sua criatura Ele nada vos poderá recusar.
Eu sou a verdadeira fonte da lei e vós deveríeis ser reflexo disso, e como vos venho afirmar que é uma lei de amor, é preciso que sejais apóstolos cheios de amor, para procurar almas de amor e de ternura para o Meu reino de amor sobre os homens.

Tudo o que faço, meus filhos, é apenas por vos amar tão profundamente. Sabei que vós precisais de tudo e que tudo vos vem só de Mim. Não posso penetrar mais no fundo deste abismo, porque se Eu vos revelasse a plenitude do Meu Amor por vós, estaríeis perante o maior mistério entre todos os mistérios.

Concluí, pois estais imersos no Meu Amor como o peixe na água e sabei reconhecer a vossa dependência de Mim, dizendo: ”Venho de Deus, meu Pai, e torno a Ele porque apenas a Ele pertenço”.

Que alegria encontrar-Me como Pai entre Filhos do meu Amor! Conversarei convosco como amigos, os meus íntimos! Serei para vós o mais discreto dos confidente! Serei o vosso Tudo, que vos bastará para tudo! Serei sobretudo o Pai que acolhe os vossos desejos, cumulando-vos com o Seu Amor, os Seus benefícios, a Sua universal ternura!

Não Me recuseis esta alegria que Eu desejo saborear entre vós! Restituir-Vos-ei ao cêntuplo e uma vez que Me honrais, também Eu vos honrarei preparando-vos uma glória no meu Reino!

Eu sou a Luz das luzes: onde ela penetrar haverá a Vida, o pão e a felicidade. Esta Luz iluminará o peregrino, o céptico, o ignorante; ela ilumina-vos-á a todos, ó homens que viveis neste mundo cheio de trevas e de vícios! Se não tivésseis a minha Luz, cairíeis no abismo da morte eterna!

Esta Luz, enfim, iluminará os caminhos que conduzem à verdadeira Igreja Católica, para os seus pobres filhos que ainda são vítimas das superstições. Mostrar-Me-ei o Pai dos que sofrem mais ao cimo da terra, os pobres leprosos.
Mostrar-Me-ei o Pai de todos estes homens que são abandonados, excluídos de toda a sociedade humana.
Mostrar-Me-ei o Pai dos aflitos, o Pai dos doentes, sobretudo o Pai dos agonizantes. Mostrar-Me-ei o Pai de todas as famílias, dos órfãos, das viúvas, dos presos, dos operários, e da juventude. Mostrar-Me-ei o Pai dos Reis, das Nações!

E todos sentireis as minhas Bondades, todos sentireis a minha protecção e todos vereis o meu poder.
Recebei todos a minha Paternal e Divina Bênção, Ámen!

Oração, de Oblação Eucarística:
L: Meu Divino Pai.
R: Sou mais do que nunca o vosso filho.
L: Obrigado, Meu Pai por me terdes dado Jesus, Vosso Filho.
R: Com todas as graças e dons do Espírito Santo que Ele traz com Ele.
L: Portanto, já não sou eu.
R: É o Vosso Filho amado que está em mim.
L: Pai, é Ele quem vos fala.
R: É Ele que vos reza, é Ele que vos ama, é Ele que vos implora por mim e por todos os meus irmãos do mundo.
L: É por Ele eu me deixo tomar, aniquilar e morrer para mim mesmo, para, por Ele, não ser senão louvor, adoração e acção de graças.
R: Para que só Vós, meu Pai, sejais a minha vida e o meu Tudo.
L: Olhai agora, Pai, com complacência, para o vosso filho.
R: Não vejais nele senão este Filho que amais, o vosso Jesus.
L: Eu já não estou, pois, sozinho, meu Pai, estou na Trindade, vivo na Trindade e morrerei no seio da Trindade.
R: Sim, Pai, nós todos queremos, pela nossa vida e pela adesão à vossa Vontade em tudo, ser com Jesus pela graça do Espírito Santo, o vosso templo, a vossa consolação, o vosso apóstolo, e mais que tudo isso…com o vosso Filho, que vos amou até morrer de amor por Vós e de zelo pela Vossa Glória.
L: Ó Jesus, nós vos damos graças pelo dom que acabais de nos fazer de Vós mesmo nesta visita Eucarística.
R: Nós amamos-Vos com todo o nosso coração, em nós e em todas as hóstias consagradas do  mundo inteiro, simplesmente, ternamente, fortemente, como vosso irmão e irmãs que não Vos querem deixar nem um só instante neste dia, mas permanecer no vosso Amor.
L: Neste momento a Espécie Eucarística desaparece e dissolve-se com a Hóstia, mas vós continuais a habitar em nós como Verbo Divino. Ó Filho adorável do Pai, Vós quereis apropriar-vos da pobre humanidade de cada um de nós, para fazer dela outros Cristo e pela vossa graça e o vosso Espírito Santo reproduzir, continuar, viver em nós a vossa vida filial para glória do Pai.
R: Eis-nos todos disponíveis, sinceramente desejosos, de não viver, pensar, agir, querer e amar senão pelo movimento do vosso Espírito, para que neste dia, do nosso labor apostólico e de toda esta Obra que vos é querida, ”por Vós, conVosco, em Vós”, toda a honra e toda a glória sejam dadas ao Pai na unidade do Espírito Santo.
L: Ó Rainha dos Apóstolos e nossa Mãe, permanecei connosco durante este dia.
R: Nós vo-lo confiamos para que a vossa bondade nos ajude a torná-lo agradável ao nosso Pai e rico em méritos para a salvação das almas.

L: Nos cum prole pia.
R: Benedicat Virgo Maria.
L: Pai Divino, nós queremos amar-Vos.
R: Pai Divino, nós queremos glorificar-Vos.
L: Pai Divino, nós queremos tornar-Vos conhecido.
R: Pai Divino, nós queremos fazer com que Vos amem.

L: Pai Divino, nós queremos fazer-Vos triunfar.
R: Pai Divino, venha a nós o Vosso Reino, assim na Terra como no Céu.

L: Pai Divino em Nome de Jesus, fazei com que as nossas famílias, as nossas comunidades, as nossas sociedades e nações, se unam na Paz, na Equidade e no Amor.
L: Nos cum prole pia
R: Benedicat Virgo Maria

De todo o coração peço a Nossa Senhora, a Rainha da Unidade Católica, que obtenha do Nosso Bom Pai, pelos méritos de Seu Filho e o Amor do Espírito Santo, que todos os Seus filhos vivam da Santíssima Trindade, para a Santíssima Trindade, na Santíssima Trindade.Ámen

Madre Eugénia.

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s