A Anunciação Do Anjo

Anne Catherine Emmerich

Segundo as visões dadas à religiosa agostinha Caterina Hemmerich

Palavras do Evangelho:

«E, estando Isabel no 6º mês, foi enviado por Deus o anjo Gabriel a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão, que se chamava José, da casa de David, e o nome da virgem era Maria. E entrando o anjo, onde estava, lhe disse: – Eu te saúde, cheia de graça, o Senhor é contigo, bendita és tu entre as mulheres.

Ela, quando o ouviu, perturbou-se do seu falar e discorria pensativa que saudação seria esta. Então o anjo lhe diz: – Não temas Maria; achaste graça diante de Deus: Eis, conceberás no teu ventre e darás à luz um filho e o chamarás pelo seu nome Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de David seu pai, e reinará eternamente na casa de Jacob, e o seu reino não terá fim.

– O quarto de Maria ficava junto da lareira e ao fundo da habitação, subindo-se a ele por meio de 3 degraus. As paredes abertas no calcário da rocha, encontravam-se revestidas de madeira, bem como os tectos. Era aí que se encontrava o leito da Virgem , enrolado no chão, como era o costume naquele tempo.

Logo que a santa Virgem entrou no cubículo, vestiu uma túnica branca e envolveu a cabeça com um véu quase da mesma cor. Entretanto, a serva, trazendo uma luz, foi acendendo uma lâmpada de braços, suspensa do tecto, e retirou-se. Maria tomou uma mesa encostada ao muro e colocou-a no meio do quarto. Sobre ela via-se um rolo de pergaminho com letras da Escritura. Ajoelhando ao lado, cobriu o rosto com o véu e, juntando as mãos, orou durante longo espaço de tempo, sempre de olhos fixos no céu.

Na sua fervorosa prece, pedia ao Senhor que abreviasse a hora da Redenção, enviando o Salvador prometido a Israel e que lhe fosse dado tomar parte, como serva, na missão que ele vinha cumprir na Terra.

Por muito tempo, ainda, continuou elevada na oração e entrando em êxtase, vi a cabeça inclinar-se sobre o peito. Neste momento, um feixe de luz, descendo do alto, em linha um pouco oblíqua inundou de claridade todo o quarto da Virgem. A lâmpada aparecia apagada e a luz dela sem brilho. Estavam cumpridos os tempos, tendo chegado para a humanidade a hora da misericórdia.

Então disse Maria ao Anjo: – Como se fará isto pois eu não conheço varão?

E respondendo o Anjo lhe disse: – O Espírito Santo virá sobre ti, e o Altíssimo te guardará com a sua virtude. E por isso também o Santo que há de nascer de ti será chamado filho de Deus. E eis aí Isabel, tua prima, também ela concebeu um filho na sua velhice; e este é o 6º mês da que se diz estéril; porque a Deus nada é impossível.

-Então disse Maria: Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra. E o Anjo se apartou dela.

-Ao tempo em que o anjo pronunciava as palavras da Anunciação, Maria voltou levemente o rosto velado para o lugar de onde vinha a saudação, mas sem que ousasse fitar o enviado do Senhor. Terminada a missão e como obedecendo a uma ordem, é que Maria descobriu o rosto e, olhando para o anjo, pronunciou as palavras: «Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra»

«A SSmª Virgem, estava ainda elevada num êxtase profundo e, acrescenta Caterina Emmeriche, como o quarto continuasse cheio de claridade, vi uma estrada luminosa, subindo dali até junto da SSmªa Trindade, figurada por um triângulo luminoso, cujos raios se penetravam reciprocamente.» Nesta visão celestial, reconheci a grandeza de Aquele a quem devemos sempre adorar sem nunca, todavia, podermos suficientemente compreender: -Deus todo Poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo e um só Deus Omnipotente.

No momento em que Maria pronunciou as palavras: « Que se faça em mim segundo a tua palavra» vi uma aparição do Espírito Santo, sob a forma de asas, mas um pouco diferente da figura de pomba que geralmente é representado. A claridade da luz espalhava-se à direita e à esquerda como asas abertas, mas a figura aproximava-se mais de um ser humano do que daquela espécie alada – a pomba. Do seio desta figura luminosa, vi descer torrentes de luz até o lado direito da Virgem Maria que se tornou resplandecente, desaparecendo dela, toda a espécie material e opaca, da mesma maneira que a noite se afasta do dia. Quando o anjo se retirou, vi desvanecer-se igualmente aquela estrada de luz como se fora absorvida do lado do céu.

«Ao tempo desta visão, senti um movimento profundo de indignação quando vi junto de mim uma figura de monstro com forma de serpente, fazendo esforços para subir até ao lugar, onde se encontrava a SSmªa Virgem. Teria o comprimento de uma criança, com patas membranosas, semelhantes a asas de morcego. Ainda conseguiu arrastar-se até ao 3º degrau da entrada, mas ao chegar ali, como o anjo lhe pusesse um dos pés sobre a cabeça, deixou escapar um silvo tão horrendo e penetrante que todo o meu ser tremeu de pavor. Vi que, em seguida, 3 espíritos o expulsara de lá para fora.

-«Como o anjo se retirasse, continuou Maria num grande recolhimento de espírito, como absorvida num transporte sobrenatural. Vi que nessa hora, sendo iluminada dum conhecimento perfeito da Encarnação, adorava o Salvador do mundo, que perfeito e com todos os seus membros, nela ficou morando».

Em Nazaré, dá-se o contrário do que se passa em Jerusalém. No Templo, as mulheres não passavam do vestíbulo, não podiam também dar entrada no Santuário. Somente os sacerdotes, é que ali têm acesso. Em Nazaré é uma Virgem que se transforma em Templo, passando a morar nela o Sacerdote do Altíssimo, assistindo-lhe essa donzela, que se transformou em verdadeiro Santo dos Santos. Como este pensamento tão singelo se torna claro e acessível ao nosso franco entendimento.

Foi por volta da meia noite que vi a realização de todo este grande mistério. «Passado pouco tempo, Santa Ana, assim como as outras mulheres despertadas por uma agitação que se apoderou nos seres de toda a criação, entraram no quarto de Maria e como a visse de joelhos, orando em êxtase, retiraram-se cheias de respeito, cada qual para o seu aposento.»

Quando a Virgem terminou a sua contemplação, levantou-se e reavivando a lâmpada, orou ainda de pé, por algum tempo. Era já de madrugada, quando recolheu ao leito para dormir.

Foi-me explicado que Santa Ana tivera conhecimento de tudo o que se cumprira naquela humilde casa de Nazaré. Foi me explicado o motivo porque o Redentor devia ficar 9 meses no seio de sua Mãe e nascer menino, e também a razão porque não quis nascer na Terra já homem perfeito, como Adão, ao sair das mãos de Deus. A razão é que o Salvador quis santificar de novo, não só a concepção como o nascimento dos homens, decaídos pelo pecado original.E se, mais cedo não apareceu no mundo, e o motivo porque escolheu Maria por sua Mãe , é porque só ela foi o que até então nenhuma criatura tinha sido, nem tornou a haver depois: – O vaso puríssimo de graça, que Deus tinha prometido. – Nele é que devia fazer-se homem para satisfazes as dívidas de toda a humanidade.

«A SSmª Virgem era flor puríssima da família humana, desabrochada na plenitude dos tempos. – Todos os filhos de Deus entre os homens, bem como aqueles, que desde o começo, trabalharam na obra da santificação, contribuíram para apressar a hora da vinda do Salvador prometido. Maria era o ouro purismo da Terra e, na humanidade inteira, a única parcela sem mancha, nem da carne nem do sangue, preparada, recolhida e purificada, sob a lei de Moisés, e protegida na linha dos seus ascendentes.

«Sendo predestinada na eternidade, e aparecendo no tempo par cumprir a missão de mão de Eterno, foi gerada na hora em que atingiu a plenitude da graça».

Nota: Maria tinha pouco mais de 14 anos quando de operou nela o mistério da encarnação do Verbo.

Compilado do Livro nº 1 da VIDA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, segundo os Evangelhos e as revelações de Ana Caterina Hemmerich, pelo Pe. J. Alves Terças

 

 

 

Advertisements